Arquivo da Categoria “BSCI”


Olá Pessoal,

Após um tempo de mudanças bruscas na vida, estou de volta para atualizar o blog. Agora, com uma notícia saindo do forno.

Para os que estavam acompanhando, saíram notícias não oficiais de que a trajetória de provas para conquistar o CCNP seria alterada. Hoje, ao verificar o forum do blog ccna, verifiquei que o prof. Adilson já estava up-to-date com a notícia.

Foram introduzidas novas provas para o CCNP, conforme a Cisco:

  1. 642-902 ROUTE: Disponível a partir de 10/Março/2010.
  2. 642-813 SWITCH Disponível a partir de 10/Março/2010.
  3. 642-832 TSHOOT Disponível a partir de 30/Abril/2010.

Agora, é possível obter o CCNP a partir de 3 provas (ou até em 2 se for feito o composite). As novas combinações possíveis para se certificar como CCNP são:

  1. BSCI ou ROUTE // BCMSN ou SWITCH // ISCW // ONT.
  2. COMPOSITE // ISCW // ONT.
  3. BSCI ou ROUTE // BCMSN ou SWITCH // TSHOOT.
  4. COMPOSITE // TSHOOT .

Vale ressaltar que todas as provas antigas do CCNP (BSCI, BCMSN, ISCW, ONT) podem ser feitas até o dai 31/Julho/2010, portanto após esta data vai ser possível atingir a certificação fazendo 3 provas. Deve-se notar que agora o preço pro prova não é mais U$ 150,00 e sim U$ 200,00.

O que a Cisco não comentou é do procedimento após o 31/julho. Esperamos que quem já tiver feito alguma prova possa ainda seguir alguma dessas 4 trajetórias.

Com esta mudança por vir, alterarei meu objetivo. Ao invés de fazer a ONT e ISCW, farei apenas a TSHOOT, direcionamento meu conhecimento para esta área de Troubleshooting. Outra curiosidade é que a Cisco vai abrir uma prova TSHOOT beta de 16/02 - 16/03 com custo de U$ 50,00 (os 150 primeiros a se inscrever não pagam) para os que quiserem ser cobaias. Esta prova terá a mesma validade que a TSHOOT, porém os resultados só serão publicados em 30/abril.

Vou iniciar minha busca por material para elaborar um plano de estudos na semana que vem para compartilhar com vocês.

Em breve trarei mais novidades para o blog. Neste final de semana é a minha colação de grau e formatura. Após esta semana, tudo vai se acalmar.

Um grande abraço pessoal,

Maurício.

Comments 8 comentários »

Olá pessoal,

No post anterior eu informei que havia passado na BSCI e me prontifiquei a detalhar um pouco mais da jornada que eu tive até a obtenção desta certificação.

Primeiro, meu resultado na BSCI foi:

Nota: 911 / 1000

Corte: 790

Questões: 61

Tempo: 2 horas.

ScoreCard:

  • Implement EIGRP operations: 88%
  • Implement multiarea OSPF operations: 80%
  • Describe Integrated IS-IS: 85%
  • Implement Cisco IOS routing features: 100%
  • Implement BGP for enterprise ISP connectivity: 90%
  • Implement multicast forwarding: 100%
  • Implement IPv6: 62%

Confirmo o que muitos dizem, a BSCI é difícil! Garanto a todos que se a minha preparação não fosse tão boa, não passaria na prova. Diferentemente da CCNA, a BSCI tem muito mais questões que faz você pensar. Na minha prova caiu todo o conteúdo estudado. Não lembro de nada que não caiu.

Os laboratórios que caíram em minha prova foram os seguintes:

  • Troubleshooting de uma configuração de Virtual-Link em OSPFv3;
  • Redistribution bidirecional de IS-IS e EIGRP;
  • Outro que não me recordo…

As questões foram das mais diversas, por isso ressalto a todos:

Estudem e Aprendam, pois se não fizerem isto (e tentar a sorte por braindumps) poderão não ser ótimos profissionais e não passarão na certificação, pois esta prova, especialmente,  é Hardcore!

Cada segundo da minha jornada de estudos valeu a pena, pois tudo me agregou conhecimento. Agora, falarei um pouco de como foi minha preparação.

Para a BSCI, não tinha feito nenhum plano de estudos - coisa que farei para a BCMSN para otimizar o tempo - mas  meu estudo foi de 24/03/2009 (um dia depois da aprovação do CCNA) até 30/05/2009 (2 dias antes de ser aprovado na BSCI) e seguiu da seguinte maneira:

  1. Assisti a todos os vídeos do CBT Nuggets, por Jeremy Cioara (disponível no HD do Blog).
  2. Fiz um overview do livro oficial da CiscoPress, por Brent Stewart (disponível no HD do Blog).
  3. Comecei a tentar praticar alguns laboratórios, mas vi que faltava alguma coisa.
  4. Li detalhadamente todo o livro do Brent Stewart, ao longo da leitura fui praticando laboratórios para cada um dos capítulos que passava.
  5. Após a conclusão do livro, iniciei minha longa jornada em laboratórios. Fiz laboratórios de tudo que caía na BSCI, muitas vezes misturando 2 ou 3 áreas de conhecimento para observar a convergência dos protocolos em  conjunto.
  6. Comecei a resolver questões de simulados para identificar meus pontos fracos.
  7. Identificado estes pontos fracos, reli o capítulo do livro, pratiquei com laboratórios deste tema e quando estava bastante seguro quanto ao conteúdo fiz um simuladão de toda esta área de conhecimento.
  8. Fiquei alternando entre os passos 6,7,8 até 1 semana antes do dia da prova.
  9. Nesta última semana relaxei, pois estava com a sensação que poderia ter feito uma semana antes. Mas, revisei o que não estava 100% seguro (Multicast) e 2 dias antes da prova encontrei um texto chamado BSCI QuickSheat que foi bastante interessante para ver todo o conteúdo da prova como um overview geral.
  10. Um dia antes da prova, relaxei e não vi nada do conteúdo nem de anotações.

Dicas Extras: Sempre mantenha um TXT de anotações! Quando você tiver uma dúvida coloque-a neste TXT. Quando você tiver uma informação que é nova para você anote-a no TXT. Desta maneira, você terá um arquivo compilado de informações e poderá acompanhar todo seu progresso, e se na evolução de seu estudo você tiver uma dúvida que diz respeito ao que você já estudou, você terá anotado no TXT.

Pessoal, por hora é isto. Espero poder ter contribuído bastante, e agora rumo a BCMSN. Nesta semana elaborarei um plano de estudos e estarei publicando no blog para você acompanharem.

Um forte abraço e sucesso a todos nós.

Maurício Bento Ghem

Comments 22 comentários »

Olá pessoal,

É com muito prazer que gostaria de comunicar que hoje (01/jun/2009) às 09:00 Passei na BSCI (642-901), uma das quatro provas que compõem o CCNP.

Como estou sem computador no meu curso, posteriormente farei um comentário mais extendido falando o que caiu, o que estudei e considerações gerais sobre a prova.

Próximo passo, BCMSN (Building Converged Cisco Multilayer Switched Networks), 642-812.

Um grande abraço e sucesso a todos nós,

Maurício Bento Ghem.

Rumo ao CCNP!

Comments 11 comentários »

Olá Pessoal,

Estudando Multicast para a BSCI me deparei com algumas questões que pedem por determinados endereços multicast associados com suas aplicações. Segue abaixo uma tabela sucinta dos endereços relevantes que eu tomei conhecimento ao longo de meus estudos, aliado com alguns requisitados nas questões de estudo.

224.0.0.1 All Systems on this Subnet
224.0.0.2 All Routers on this Subnet
224.0.0.5 OSPF All Routers
224.0.0.6 OSPF Designated Routers
224.0.0.9 RIP2 Routers
224.0.0.10 IGRP/EIGRP Routers
224.0.0.13 All PIM Routers
224.0.0.22 IGMP
224.0.1.1 NTP Network Time Protocol
224.0.1.39 cisco-rp-announce (PIM-SM)
224.0.1.40 cisco-rp-discovery (PIM-SM)

Referência:

- IANA, IPv4 Multicast Addresses <http://www.iana.org/assignments/multicast-addresses/>. Acesso em 23/maio/2009.

Um grande abraço e sucesso a todos.

Maurício Bento Ghem

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Quem acompanha os comentários no blog do Marco Filippetti deve ter notado que eu falei ter marcado a prova BSCI. Agora, estou tornando oficial:

Prova marcada para 1/junho/2009, 09:00.

Estou aprimorando meus conhecimentos até esta data para me sentir mais seguro para sua realização. Quando eu passar terei estudado 2 meses e 1 semana. Se seguir esta média até o final do ano será possível atingir minha meta de obter o CCNP até dezembro.

Muitos falam que a BSCI é a prova mais difícil, e eu ainda não sei hehehhe. Mas, o conteúdo é um pouco complicado no início, mas depois que você ‘pega a manha’, pratica e estuda os laboratórios você entende perfeitamente tudo o que estava escrito nos livros. Também, é possível que por roteamento ser minha área preferida no mundo de redes eu aprendi com prazer.

Se as próximas 3 provas tiverem conteúdos interessante como o da BSCI será um prazer estudar e APRENDER, para no fim obter o CCNP e comprovar o conhecimento sedimentado.

Desejem-me calma e serenidade para este dia, pois a sorte – acredito eu – é necessária apenas para quem não está preparado em sua totalidade.


Um abração,

Maurício Bento Ghem.

Comments 9 comentários »

Olá Pessoal,

Fiz este resumo sobre pontos mais importantes do IPv6 para ser didático, compreensível e objetivo. O nível de abrangência deste resumo ficaria num ponto intermediário entre as certificações CCNA e BSCI. Segue abaixo.

IPv6

- Foi adicionado diversas funcionalidades se comparado com o IPv4, tais como: 128 bits para endereçamento (IPv4 apenas 32), segurança (através de extension headers), técnicas para transição de IPv4 para IPv6, QOS embebbed (direto no  header), autoconfiguration (permite um host obter um endereço IP sem ter que rodar um DHCP na rede) e mobilidade IP.

- O endereço IPv6 possui 128 bits e é dividido em 8 ’sextetos’, cada um com 16 bits.

- O Header (incluindo IPs de origem e destino) possui 320 bits, sem as extensões - apresentado abaixo.

Header IPv6

- IPv6 não possui o campo checksum (e nem o realiza) por considerar que o controle de erros das camadas inferiores é confiável.

- IPv6 não usa broadcast, e sim multicast. Um broadcast poderia ser simulado enviando um multicast para o endereço All-nodes, escopo Link-local (FF02::1).

- Endereço de Loopback - ::1/128 (IPv4 = 127.0.0.1). Endereço default-route - ::0/0 (IPv4 = 0.0.0.0/0).

- EUI-64: formato derivado do MAC-address utilizado para se atribuir endereços Link-Local. É pego o MAC address (48 bits), inserido o número hexadecimal FFFE no meio dele e modificado os primeiros 2 bits (de 00 para 20), portanto o MAC 00eb.1234.3322 no formato EUI-64 ficaria: 02eb:12ff:fe34:3322. Enfim, agregando o prefixo para endereços Link-local teríamos: FE80::02eb:12ff:fe34:3322.

- Tipos de endereços IPv6:

  • Global Unicast: Identifica um host único na Internet. Serão atribuidos prefixos para cada organização (48 bits ou menos), como visto na figura. A IANA definiu o prefixo para estes prefixos como 2000::/3.Prefixo Global Unicast
  • Link-Local: Cada interface recebe um destes endereços. É utilizado para os dispositivos na mesma rede se comunicarem sem ter de utilizar o endereço Global Unicast. Utilizam o Prefixo FE80::/10 + o formato EUI-64.
  • Site-local. Endereço único dentro do escopo da organização, não roteável na Internet. Prefixo: FEC0::/10.

- Multicast: Identificado pelo prefixo FF00::/8. Os próximos 4 bits são flags, e os outros 4 próximos definem o escopo do Multicast (apresentados abaixo). Ao lado, é apresentado um esquema da abrangência dos escopos.

IPv6 - Escopo Multicast

  • 1 = Interface-local.
  • 2 = Link-local.
  • 5 = Site-local.
  • 8 = Organization-local.
  • E = Global.

- Anycast: Um endereço Global Unicast atribuido a mais de um dispositivo, definido-o como anycast. Tem como função rotear para o dispositivo anycast mais próximo. Veja abaixo.

Endereço Anycast demonstrado

- Hosts Ipv6 devem responder pelo menos nos seguintes endereços:

  • Global Unicast e Anycast (2000::/3)
  • Link-local (FE80::/10, por autoconfiguration
  • Loopback (::1/128)
  • All-nodes Multicast (FF01::1 e FF02::1)
  • Outro grupo multicast atribuido.

- Roteadores, além de responder neste endereços devem ainda responder em:

  • Endereço Anycast da subrede (endereço da subrede com o Interface ID - endereço do host - setado em 0)
  • All-routers Multicast (FF01::2, FF02::2, FF05::2)
  • Grupos de multicast definidos por protocolos de roteamento (se aplicável). EIGRP for IPv6: FF02::10, OSPFv3: FF02::5 (todos Routers) e FF02::6 (apenas DR e BDR).

- As principais formas de transição do IPv4 para IPv6 pode ser feita através do Dual Stack (rodar ambos IPv4 e IPv6 até não ter mais necessidade de IPv4) e Tunelamento (encapsular o pacote IPv6 dentro de um pacote IPv4 - figura). Para o tunelamento é previsto o prefixo 2002::/16.
Tunelamento IPv6

Referências

- CCNP BSCI Official Exam Certification Guide 4th edition, por Brent Stewart. CiscoPress

- CCNA 4.1 Guia Completo de Estudo, por Marco Filippetti. Visual Books

- CertProject, imagem do header IPv6.

Cisco IOS IPv6 Multicast Introduction - MT BOM.

RFC 3513 Internet Protocol Version 6 (IPv6) Addressing.

Gostaria de dedicar apoio especial a todos que estarão se certificando ao longo do mês de junho.

Um grande abraço,

Maurício Bento Ghem.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Mais um laboratório interessantíssimo a nível de CCNP. Este laboratório é bastante simples, mas ilustra da melhor maneira um problema que todos nós Network Engineers teremos de enfrentar no futuro.

Como a Internet roda IPv4 será um grande desafio migrá-la para se utilizar IPv6 em todos seus pontos. Este laboratório é ilustrado o tunelamento GRE entre duas localidades utilizando como meio a Internet (R2 simulando uma rede IPv4).

Abaixo é apresentado a topologia da rede.

Laboratorio IPv6 - 6-to-4 Tunneling

A IOS utilizada é a c7200-advipservicesk9-mz.124-9.T.bin disponível no HD do blog. Seguem as mesmas recomendações para os laboratórios: usem e abusem de comandos show e debug, modifiquem o laboratório e o utilizem para estudar e APRENDER.

Abaixo, é apresentado o link para download.

Laboratório IPv6 - 6-to-4 Tunneling (atualizado)

Um forte abraço,

Maurício Bentow.

Comments 8 comentários »

Olá pessoal,

Estando na fase final de preparação para a BSCI fiz um resumo mais sucinto dos protocolos de roteamento que fazem parte do escopo desta prova. Este resumo visa diferenciar diversos detalhes que são cobrados na BSCI, tais como: métrica padrão quando uma rota é redistribuida, terminologia e muitos outros aspectos. Os protocolos de roteamento cobrado no exame são:

EIGRP

- OSPF multiarea

- Integrated IS-IS

- BGP in a non-Transit AS.

Foi criada uma tabela no excel que foi convertida para uma figura. Esta é apresentada um pouco menor abaixo. Clique na figura para obtê-la na íntegra.

EIGRP - OSPF - ISIS - BGP. Resumo

Um abração pessoal,

Maurício.

Comments 4 comentários »

Olá Pessoal,

Este laboratório engloba diversas áreas de conhecimento de roteamento. A configuração base é apresentada na figura abaixo.

Topologia do Laboratório EIGRP - Queries e DHCP-relay

Neste lab o roteador R2 atua como servidor DHCP para sua própria rede para rede de R3 que utiliza o comando ip helper-address para utilizar o pool configurado em R2.

O objetivo deste lab, além de entender a configuração DHCP é poder derrubar links e observar a topology table para ver as rotas passando para o estado ativo, ou seja, buscando um caminho alternativo para a rota que caiu.

Note que como no Dynamips não é possível adicionar Hosts, foram adicionados roteadores só que sem a função de roteamento. Isto foi possível por meio do comando no ip routing.

No mais, sigam as recomendações de sempre: comandos show e debug e personalizar os labs para entender e aprender. Foi utilizado roteadores 3600 e a IOS está disponível no HD do blog. Não esqueçam de modificar os caminhos no arquivo .net.

Segue abaixo o link para download.

Laboratório EIGRP - Prática de Queries e Dhcp-Relay

Um abração pessoal,

Maurício.


Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

 

Uma parte bastante complexa do protocolo BGP é a comunicação dentro do sistema autônomo, ou seja, quando ele roda como IBGP (interior). Diversas regras do BGP se alteram quando a comunicação e troca de rotas ocorrem dentro do sistema autônomo, sendo que a topologia deve ser bem planejada para configurar os roteadores da maneira adequada.

Este laboratório é focado na comunicação IBGP, e para o tornar mais interessante, os routers não estão na disposição full-meshed. Deve-se ter em mente que as rotas aprendidas pelo IBGP não são anunciadas para outros IBGP peers, por isso a disposição full-mesh é muito utilizada. Quando não é possível é introduzido um route-reflector.

Um route-reflector nada mais é que um roteador que replica sua tabela BGP para seus peers configurados.

Segue abaixo a topologia.

Topologia - Laboratorio Bgp - IBGP peers

As recomendações padrão: usar e abusar de comandos show e debug, entender o funcionamento e trocas de rotas e APRENDER com o laboratório. Foram utilizadas as IOS c3620-is-mz.123-15 e c7200-ik9o3s-mz.123-22 ambas disponíveis no HD do blog. Os arquivos TXT incluídos possuem as configurações inicias do laboratório sendo que o laboratório (.NET) já possui as configurações finais com tudo funcionando. Segue abaixo o link para download.

Laboratório BGP - IBGP Peers

 

Um forte abraço para todos e boa semana.

Maurício.

PS: Para os que têm problemas com inglês entrem em contato comigo que traduzo para português. Os comentários feitos por mim estão sendo feitos em inglês devido a prática, material de estudo e prova serem tudo nesta língua, portanto, vamos se puxar galera. Outro abraço.


Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

 

Prosseguindo a série de Comandos Show, apresento-lhes para o protocolo IS-IS.

Este protocolo é bastante diferente da maioria, pois se baseia no endereçamento OSI. Numa primeira análise parece ser complicado, mas entendendo a teoria por trás do protocolo fica tudo descomplicado.

Segue abaixo.

 

COMANDO RELACIONADO A RESULTADO
show clns IS-IS - Geral Apresenta resumo, contêm: número de interfaces que está rodando, NET address e timers.
show clns neighbors IS-IS - Neighbors Resumo dos vizinhos. Contêm: ID do router remoto, interface, SNPA (endereço da camada de enlace), estado, holdtime e tipo de adjacência (Level-1, Level-2).
show clns neighbors detail IS-IS - Neighbors Apresenta detalhes dos vizinhos. Além das informações anteriores apresenta ainda: IP address, uptime e área (extraído do NET).
show clns route IS-IS - Routes Apresenta todos os NSAP (Network Service Access Point) é possível rotear dados.
show isis topology [..] IS-IS - Routes Apresenta uma lista de caminhos para todos os routers dentro do domínio de roteamento. Pode-se passar parâmetros para filtrar (apenas Level-1, por exemplo.)
show isis database [..] IS-IS - LSPs Apresenta cada uma das LSPs na base de dados. Contêm informações como: router que gerou a LSP (LSPID), sequence numbers, checksum, holdtime e bits para controle. Pode-se passar parâmetros para filtrar (apenas Level-1, por exemplo.)
show isis spf-log IS-IS - SPF Apresenta informações pertinentes a execução do algoritmo SPF. Se houverem muitas execuções suspeite de problemas de configuração.

 

OUTPUTS:

 

R4#show clns
Global CLNS Information:
3 Interfaces Enabled for CLNS
NET: 49.0020.0000.0000.000b.00
Configuration Timer: 60, Default Holding Timer: 300, Packet Lifetime 64
ERPDU’s requested on locally generated packets
Running IS-IS in IP-only mode (CLNS forwarding not allowed)

 

 

R4#show clns neighbors

System Id Interface SNPA State Holdtime Type Protocol
R3 Se1/0 *HDLC* Up 28 L2 IS-IS
R5 Se1/1 *HDLC* Up 25 L2 IS-IS

 

 

R4#show clns neighbors detail

System Id Interface SNPA State Holdtime Type Protocol
R3 Se1/0 *HDLC* Up 25 L2 IS-IS
Area Address(es): 49.0020
IP Address(es): 10.100.0.1*
Uptime: 00:42:23
NSF capable
R5 Se1/1 *HDLC* Up 23 L2 IS-IS
Area Address(es): 49.0030
IP Address(es): 10.100.0.6*
Uptime: 00:42:23
NSF capable

 

 

R4#show clns route
Codes: C - connected, S - static, d - DecnetIV
I - ISO-IGRP, i - IS-IS, e - ES-IS
B - BGP, b - eBGP-neighbor

C 49.0020.0000.0000.000b.00 [1/0], Local IS-IS NET
C 49.0020 [2/0], Local IS-IS Area

 

 

R3#show isis topology ?
WORD Hostname or NSAP of a router
l1 Paths to all level-1 routers in the area
l2 Paths to all level-2 routers in the domain
level-1 Paths to all level-1 routers in the area
level-2 Paths to all level-2 routers in the domain
| Output modifiers

R3#show isis topology

IS-IS paths to level-1 routers
System Id Metric Next-Hop Interface SNPA
R3 --

IS-IS paths to level-2 routers
System Id Metric Next-Hop Interface SNPA
R3 --
R4 5 R4 Se2/0 *HDLC*
R5 15 R4 Se2/0 *HDLC*

 

 

R3#show isis database ?
WORD LSPID in the form of xxxx.xxxx.xxxx.xx-xx or name.xx-xx
detail Detailed link state database information
l1 IS-IS Level-1 routing link state database
l2 IS-IS Level-2 routing link state database
level-1 IS-IS Level-1 routing link state database
level-2 IS-IS Level-2 routing link state database
verbose Verbose database information
| Output modifiers

R3#show isis database

IS-IS Level-1 Link State Database:
LSPID LSP Seq Num LSP Checksum LSP Holdtime ATT/P/OL
R3.00-00 * 0x00000005 0xB7E2 1057 1/0/0
IS-IS Level-2 Link State Database:
LSPID LSP Seq Num LSP Checksum LSP Holdtime ATT/P/OL
R3.00-00 * 0x00000006 0x4207 1005 0/0/0
R4.00-00 0x00000005 0x9CAF 942 0/0/0
R5.00-00 0x00000005 0x63ED 795 0/0/0

 

 

R3#show isis spf-log

level 1 SPF log
When Duration Nodes Count First trigger LSP Triggers
00:43:43 0 1 4 R3.00-00 PERIODIC RTCLEARED NEWMETRI
C NEWLSP
00:43:27 0 1 2 R3.00-00 ATTACHFLAG LSPHEADER
00:28:52 0 1 1 PERIODIC
00:13:52 0 1 1 PERIODIC

level 2 SPF log
When Duration Nodes Count First trigger LSP Triggers
00:43:44 0 1 4 R3.00-00 PERIODIC RTCLEARED NEWMETRI
C NEWLSP
00:43:34 8 3 4 R3.00-00 NEWADJ LSPHEADER TLVCONTENT
00:28:54 4 3 1 PERIODIC
00:13:53 4 3 1 PERIODIC

 

Um abração,

Maurício Bento Ghem.

Comments 2 comentários »

Olá Pessoal,

Mais um resumo da série de comandos show, agora para o protocolo OSPF com foco na prova BSCI.

Este resumo foi feito baseado no lab publicado anteriormente: Laboratório OSPF e IS-IS com Redistribution bidirecional.

Segue abaixo um resumo de cada comando. Cada um deles possui um link para sua saída completa.

COMANDO RELACIONADO A RESULTADO
Show ip ospf [process-id] OSPF - Geral Apresenta detalhes de configuração OSPF. Apresenta informações como: Router ID, timers, última execução do algoritmo SPF e estatísticas.
show ip ospf database [..] OSPF - LSAs Apresenta informações de cada tipo de LSA. Passando o parâmetro do tipo são apresentadas mais informações detalhadas sobre cada uma.
show ip ospf border-routers OSPF - ABR/ASBR Apresenta os ABR e ASBR. Detalhes como: RouterID, interface conectada e área aparecem neste comando.
show ip ospf neighbor [detail] OSPF - Neighbors Apresenta um resumo e status da adjacência com os vizinhos. Este comando apresenta informações como: ID do router vizinho, estado (DR,BDR..), dead time (tempo até a rota se extinguir, ou receber um novo hello), endereço IP do vizinho e interface local do Router no qual se encontra este vizinho.
show ip ospf interface brief OSPF - Resumo Apresenta um resumo do OSPF em cada interface na qual está rodando. Mostra: interface, process ID, área, IP e máscara, custo, estado (DR/BDR…).
show ip ospf virtual-links OSPF - Virtual-Links Apresenta (quando aplicável) os virtual-links e suas estatísticas. Informações contidas: Timers, Router ID, transit Area, estado da adjacência.
show ip route OSPF - Routes Para ilustrar o roteador que está redistribuindo as rotas, é apresentado o comando show ip route que apresenta ambas rotas do protocolo OSPF e IS-IS (e a rota default aprendida pelo IS-IS).

Outputs

R3#show ip ospf ?
<1-65535> Process ID number
border-routers Border and Boundary Router Information
database Database summary
flood-list Link state flood list
interface Interface information
mpls MPLS related information
neighbor Neighbor list
request-list Link state request list
retransmission-list Link state retransmission list
sham-links Sham link information
summary-address Summary-address redistribution Information
virtual-links Virtual link information
| Output modifiers

R3#show ip ospf 1
Routing Process “ospf 1″ with ID 10.100.0.1
Supports only single TOS(TOS0) routes
Supports opaque LSA
Supports Link-local Signaling (LLS)
It is an autonomous system boundary router
Redistributing External Routes from,
isis with metric mapped to 120, includes subnets in redistribution
Initial SPF schedule delay 5000 msecs
Minimum hold time between two consecutive SPFs 10000 msecs
Maximum wait time between two consecutive SPFs 10000 msecs
Minimum LSA interval 5 secs. Minimum LSA arrival 1 secs
LSA group pacing timer 240 secs
Interface flood pacing timer 33 msecs
Retransmission pacing timer 66 msecs
Number of external LSA 0. Checksum Sum 0×000000
Number of opaque AS LSA 0. Checksum Sum 0×000000
Number of DCbitless external and opaque AS LSA 0
Number of DoNotAge external and opaque AS LSA 0
Number of areas in this router is 1. 0 normal 0 stub 1 nssa
External flood list length 0
Area 3
Number of interfaces in this area is 1
It is a NSSA area
generates NSSA default route with cost 1
Area has no authentication
SPF algorithm last executed 00:36:04.468 ago
SPF algorithm executed 4 times
Area ranges are
10.3.0.0/16 Passive Advertise
Number of LSA 8. Checksum Sum 0×041817
Number of opaque link LSA 0. Checksum Sum 0×000000
Number of DCbitless LSA 0
Number of indication LSA 0
Number of DoNotAge LSA 0
Flood list length 0

R3#show ip ospf database ?
adv-router Advertising Router link states
asbr-summary ASBR summary link states
database-summary Summary of database
external External link states
network Network link states
nssa-external NSSA External link states
opaque-area Opaque Area link states
opaque-as Opaque AS link states
opaque-link Opaque Link-Local link states
router Router link states
self-originate Self-originated link states
summary Network summary link states
| Output modifiers

R3#show ip ospf database

OSPF Router with ID (10.100.0.1) (Process ID 1)

Router Link States (Area 3)

Link ID ADV Router Age Seq# Checksum Link count
10.100.0.1 10.100.0.1 220 0x80000003 0x00E547 1
10.255.0.0 10.255.0.0 225 0x80000003 0x00C235 1

Net Link States (Area 3)

Link ID ADV Router Age Seq# Checksum
10.3.0.1 10.255.0.0 225 0x80000002 0x009D07

Summary Net Link States (Area 3)

Link ID ADV Router Age Seq# Checksum
10.0.0.0 10.255.0.0 225 0x80000002 0x005AC6
10.1.0.0 10.255.0.0 225 0x80000002 0x0058C6
10.2.0.0 10.255.0.0 225 0x80000002 0x0056C6

Type-7 AS External Link States (Area 3)

Link ID ADV Router Age Seq# Checksum Tag
0.0.0.0 10.100.0.1 220 0x80000002 0x001C2B 0
10.100.0.0 10.100.0.1 223 0x80000002 0x00AD17 0

R0#show ip ospf border-routers

OSPF Process 1 internal Routing Table

Codes: i - Intra-area route, I - Inter-area route

i 10.255.2.2 [2] via 10.0.0.2, FastEthernet0/0, ABR, Area 0, SPF 8
i 10.100.0.1 [1] via 10.3.0.2, FastEthernet1/0, ASBR, Area 3, SPF 6
i 10.255.1.1 [1] via 10.0.0.2, FastEthernet0/0, ABR, Area 0, SPF 8

R0#show ip ospf neighbor

Neighbor ID Pri State Dead Time Address Interface
10.255.1.1 1 FULL/DR 00:00:37 10.0.0.2 FastEthernet0/0
10.100.0.1 1 FULL/BDR 00:00:39 10.3.0.2 FastEthernet1/0

R3#show ip ospf interface
FastEthernet1/0 is up, line protocol is up
Internet Address 10.3.0.2/30, Area 3
Process ID 1, Router ID 10.100.0.1, Network Type BROADCAST, Cost: 1
Transmit Delay is 1 sec, State BDR, Priority 1
Designated Router (ID) 10.255.0.0, Interface address 10.3.0.1
Backup Designated router (ID) 10.100.0.1, Interface address 10.3.0.2
Timer intervals configured, Hello 10, Dead 40, Wait 40, Retransmit 5
oob-resync timeout 40
Hello due in 00:00:05
Index 1/1, flood queue length 0
Next 0×0(0)/0×0(0)
Last flood scan length is 2, maximum is 2
Last flood scan time is 0 msec, maximum is 0 msec
Neighbor Count is 1, Adjacent neighbor count is 1
Adjacent with neighbor 10.255.0.0 (Designated Router)
Suppress hello for 0 neighbor(s)

R0#show ip ospf interface brief
Interface PID Area IP Address/Mask Cost State Nbrs F/C
Fa0/0 1 0 10.0.0.1/30 1 BDR 1/1
Fa1/0 1 3 10.3.0.1/30 1 DR 1/1

R2#show ip ospf virtual-links
Virtual Link OSPF_VL0 to router 10.255.1.1 is up
Run as demand circuit
DoNotAge LSA allowed.
Transit area 1, via interface FastEthernet0/0, Cost of using 1
Transmit Delay is 1 sec, State POINT_TO_POINT,
Timer intervals configured, Hello 10, Dead 40, Wait 40, Retransmit 5
Hello due in 00:00:09
Adjacency State FULL (Hello suppressed)
Index 1/2, retransmission queue length 0, number of retransmission 1
First 0×0(0)/0×0(0) Next 0×0(0)/0×0(0)
Last retransmission scan length is 1, maximum is 1
Last retransmission scan time is 0 msec, maximum is 0 msec

R3#show ip route
Codes: C - connected, S - static, R - RIP, M - mobile, B - BGP
D - EIGRP, EX - EIGRP external, O - OSPF, IA - OSPF inter area
N1 - OSPF NSSA external type 1, N2 - OSPF NSSA external type 2
E1 - OSPF external type 1, E2 - OSPF external type 2
i - IS-IS, su - IS-IS summary, L1 - IS-IS level-1, L2 - IS-IS level-2
ia - IS-IS inter area, * - candidate default, U - per-user static route
o - ODR, P - periodic downloaded static route

Gateway of last resort is 10.100.0.2 to network 0.0.0.0

10.0.0.0/8 is variably subnetted, 9 subnets, 4 masks
O IA 10.2.0.0/16 [110/4] via 10.3.0.1, 00:43:28, FastEthernet1/0
C 10.3.0.0/30 is directly connected, FastEthernet1/0
O IA 10.0.0.0/16 [110/2] via 10.3.0.1, 00:43:48, FastEthernet1/0
i su 10.0.0.0/14 [115/84] via 0.0.0.0, Null0
O IA 10.1.0.0/16 [110/3] via 10.3.0.1, 00:43:48, FastEthernet1/0
i L2 10.100.8.0/21 [115/15] via 10.100.0.2, Serial2/0
i L2 10.100.0.4/30 [115/15] via 10.100.0.2, Serial2/0
C 10.100.0.0/30 is directly connected, Serial2/0
O 10.100.0.0/16 is a summary, 00:43:55, Null0
i*L2 0.0.0.0/0 [115/15] via 10.100.0.2, Serial2/0

Um abração pessoal e sucesso.

Maurício Bento Ghem.

Comments 2 comentários »

Olá Pessoal,

É com muito orgulho que vos apresento um laboratório muito interessante, seguindo o título original do Lab:

Laboratório OSPF e IS-IS com redistribution bidirecional e NSSA area com default-route, ilustrado abaixo.

Topologia - Laboratorio OSPF e ISIS com redirecionamento bidirecional

Com este lab foi possível adquirir inúmeros conhecimentos, principalmente de redistribuição de rotas entre protocolos.

Após bastante tempo tentando implementar a maneira ótima para a redistribuição, ou seja, redistribuir apenas as summary routes (foi utilizado endereçamento hierárquico), finalmente consegui e lhes disponibilizo o laboratório. Reparem que foi utilizada uma área NSSA (not-so-stubby area) do OSPF para complicar um pouco mais a situação.

Como todos os laboratórios publicados por mim, corrijam os caminhos no arquivo .net e peguem as IOS correspondentes no HD do blog, pasta IOS. Lembrem-se de que para realizar o laboratório desde o início, ou seja, configurar cada um dos dispositivos eu disponibilizo a configuração base nos arquivos TXT, sendo que a configuração final está nos arquivos .cfg, na subpasta.

Também, seguem as mesmas recomendações de aprendizado. Usem e abusem de comandos show e debug, modifiquem as configurações, derrubem os links para verificar a convergência. Utilizem este Lab para aprender.

Segue abaixo o link para download do laboratório:

Laboratorio OSPF e ISIS com Redistribution bidirecional

Qualquer dúvida, sintam-se a vontade para entrar em contato comigo.

Um abração pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments 2 comentários »

Laboratorio IS-IS MultiareaOlá Pessoal,

Seguindo meus estudos para a BSCI, a primeira das quatro provas do CCNP, apresento-lhes um laboratório que fiz para entender o funcionamento do protocolo Integrated IS-IS.

Este protocolo numa primeira instância parece ser complicado, mas não há nada disso. A diferença é que ele se baseia no endereçamento OSI e não IP em suas origens. Outra vantagem é que ele roda na camada de Enlace.

O laboratório baseia-se numa configuração multi-area que utiliza três dispositivos Level 1-2 e outros três Level 1 para roteamento interno das áreas. A topologia é feita sob uma rede Frame-relay multiponto como é visto na figura.

Foi utilizada a IOS c7200-ik9o3s-mz.123-22.bin disponível do HD do blog pasta IOS.

Relembro que deve-se modificar os paths das IOS no arquivo .net incluso. Também, ressalto que a configuração na NVRAM dos routers é a completa após êxito do laboratório. Se você deseja iniciar uma nova configuração utilize os TXTs como configuração base.

Abaixo segue o link para download:

Laboratorio IS-IS Multiarea com Framerelay

Um abração pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Como estou estudando para BSCI fiz um grande resumão de cada um dos protocolos de roteamento para IPv4.

Um detalhe que deve-se observar é que este resumão foi feito em inglês (:S). Acreditem pessoal, eu consigo pensar melhor em inglês atualmente, especialmente para o estudo. Como o resumo é apresentado em tópicos é interessante para todos.

Para os que estão estudando para a CCNA é interessante dar uma breve olhada para ver o que tem por aí e aproveitar alguns tópicos que são escopo da certificação.

Um abração,

Maurício.

Segue abaixo:

Big Resume

EIGRP:
- Cisco proprietary and distance vector protocol (hybrid).
- Incremental updates.
- Uses Dual and crazy metric with K-values (1,3, Bw e DLY default)
- Establishes neighbors and mainting 3 tables (neighbor, topology, routing table).
- Neighbors must match: authentication, subnet, k-values, hello and dead timers.
- Only protocol that supports unequal cost load-balancing and backup routes (Feasible sucessor).
- If FS > AD the router can be a Feasible Sucessor.
- If there isn’t a feasible sucessor the router sends queryes for its neighbors asking for the route.
- Stuck-in-Active (SIA) is when a network is so big that it searches through it. To solve, router stub or summarization.
- Support ip summary address eigrp in the interface for summarizing the networks.
- Support keychain MD5 and plaintext authentication per interface.
- Support percentage of bandwidth usage, very used in PVC links.
- If you redistribute into EIGRP and don’t set a default-metric the route don’t to go to the routing table, because metric = infinite.»Continuar lendo Resumo de Protocolos de Roteamento - EIGRP + OSPF + ISIS + BGP

Comments 1 comentário »

Laboratorio Ipv6 Ospfv3 7200Olá Pessoal,

O tema abordado na BSCI é roteamento e é expandido incluindo a nova versão do protocolo IP, o IPv6. Esse novo protocolo proporcionará muitas dezenas de IPs a mais se comparado com o IPv4, utilizado atualmente.

O IPv6 para muitos (inclusive eu) é muito obscuro e complicado, mas se você estudar com calma atenção e praticar bastante através de laboratórios você entenderá seu funcionamento, inclusive estes endereços gigantes.

O laboratório que estou disponibilizando eu fiz para praticar o endereçamento, sumarização e o funcionamento com o OSPFv3 (OSPF para o IPv6).

»Continuar lendo Laborátorio IPv6 e OSPFv3

Comments 3 comentários »

Laboratório Multicast PIM Dense e Sparse Mode

Olá Pessoal,

O blog seguindo o fluxo do autor está, também, adquirindo material para a certificação CCNP. Ontem, prosseguindo com o estudo finalizei meu estudo sobre Multicast e agora comecei na parte de IPv6.

Quero contribuir com um laboratório que me auxiliou no entendimento do protocolo PIM (Protocol Indepentent Multicast) que é o protocolo utilizado na BSCI para criar as tabelas de roteamento multicast.

»Continuar lendo Laboratório Multicast - PIM

Comments 2 comentários »

Decisão da melhor rota no BGP.Olá Pessoal,

Continuando nossa etapa de estudo do BGP, apresento-lhes uma ótima figura que apresenta a escolha da melhor rota no BGP, que está disponível no livro:

CCNP BSCI - Official Exam Certification Guide, 4th edition. Escrito pelo: Brent Steward.

O BGP é o protocolo que tem a maior métrica! Ele utiliza atributos e a métrica é gigantesca, pois é composta de diversos destes atributos.

»Continuar lendo BGP - Decisão da melhor rota

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Continuando na iniciativa do blog de ser referência no estudo de Certificações Cisco, agora apresento um resumo de mensagens e estados do protocolo BGP.

Segue abaixo.

Mensagens BGP:

  • Open : Quando o processo BGP inicia são estabelecidas conexões na porta TCP 179 com a mensagem BGP OPEN.
  • Keepalive : Keepalive indicando que a conexão ainda está estabelecida.
  • Update : Mensagens de atualização de redes. Enviadas no início do processo e quando ocorrerem atualizações na rede.
  • Notification : Quando um vizinho reinicia é enviada a mensagem Notification indicando que está finalizando a relação.

Estados BGP:»Continuar lendo Resumo de Mensagens e Estados BGP

Comments Nenhum comentário »

Olá pessoal,

Eu como jovem cheio de disposição e idéias gosto muito de unir a diversão, o trabalho e o estudo. Eu aprendi na faculdade que a junção destas três tarefas é chamada de ócio criativo.

Como estou cheio de tarefas para realizar para a faculdade e estava afim de inovar um pouco, resolvi instalar meu notebook num monitor um pouco mais avantajado. Poisé, e se eu disse que esse avantajado é nada mais nada menos que 40 polegadas (reparem na foto)? hehehehe

Acredite, acho que foi por causa do ócio criativo que dá muito mais prazer e idéias para o indivíduo que consegui resolver um problemão que eu estava tendo com o BGP em laboratório desenvolvido por mim (a ser postado logo, logo). O problema está neste link

»Continuar lendo Estudo Cisco e o ócio criativo - INTERESSANTE

Comments 4 comentários »