Arquivo da Categoria “CCNA”

Documentos relativos à certificação CCNA.

Olá Pessoal,

Estou de volta!

Quero trazer o melhor do aprendizado corporativo focado em como colocar em prática suas idéias, projetos e fazê-los acontecer.

E conforme vou trazendo novos temas para serem discutidos no blog, vou buscar trazer experiências e conhecimento focado no crescimento pessoal/profissional.
Todo o conteúdo referente ao Cisco CCNA e CCNP vai ser mantido no blog e quero que vocês utilizem! É de domínio público!

Conhecimento é poder, porém o conhecimento é público e a gente deve saber utilizá-lo. Por isso existe a máxima:
Aprender e não usar, é saber. Aprender e realmente praticar e usar, isso sim é aprender de verdade.

Para isso, gostaria de mostrar um exemplo que conheci e conheço onde trabalho atualmente, na SAP, no Labs Latin America em São Leopoldo.

Ele começou cuidando do estacionamento ao lado, e após ir conhecendo os empregados, a empresa e os hábitos, decidiu que ali seria o lugar para ele trabalhar. Seu próximo passo foi trabalhar para uma empresa terceira nos serviços de limpeza, para que hoje pudesse ser contratado como estagiário do Globalization Banking.

Confira a história publicada no Facebook do Labs, transcrita abaixo:

Tiago Nunes na SAP Labs Latin America em São Leopoldo.

Todo mundo tem um sonho. Para alguns é ter uma carreira de sucesso ou viajar o mundo. Outros querem formar uma grande família e criar um lindo jardim. Sonhos nos encorajam. Eles nos dão motivos para acordar todos os dias e continuar a nossa jornada.

Mas quão longe pode um sonho nos levar? Tiago Nunes, estagiário recém contratado no time de Globalization Banking no SAP Labs Latin America é a prova viva de que se você pode sonhar com algo, então você também pode fazer acontecer.

Do trabalho no estacionamento ao lado da empresa…

Muitos funcionários do SAP Labs Latin America, em São Leopoldo, conheciam Tiago Nunes quando ele ainda trabalhava no estacionamento ao lado da empresa. Apesar das difíceis condições de trabalho, Tiago sempre foi muito educado e gentil. E mesmo que a vida fosse dura, nada podia tirar o sorriso de seu rosto.

Tiago simplesmente fazia o que ele achava ser o certo. Por exemplo, para evitar que os funcionários se molhassem na chuva, ele comprou um guarda-chuva. “Eu sempre via as pessoas se molhando, seguidamente carregando documentos. Aí eu pensei, eu estou aqui para servi-los, então por que não fazer este simples gesto e melhorar o meu serviço?” Atitudes como esta não eram apreciadas pelo supervisor de Tiago, mas ele não se importou. Para ele, não era o suficiente fazer apenas o que lhe era solicitado.

Tiago fez amizade com os funcionários do Labs e então perguntou o que a empresa fazia. As histórias sobre os negócios da SAP o deixaram interessado e ele sonhou que algum dia também pudesse trabalhar lá. Seus amigos então recomendaram que ele começasse a aprender Inglês.

O tempo passou e Tiago começou a estudar e praticar Inglês sozinho. Muitos funcionários recebiam um “good morning” dele quando saíam de seus carros. Ele estava determinado a aprender a língua, seja lendo livros, escutando músicas, olhando filmes…

…para a limpeza do prédio…

Um dia, Tiago recebeu a oportunidade de trabalhar para a empresa que faz a limpeza do SAP Labs Latin America. Quando perguntado se ele se importava em limpar o prédio, ele respondeu: “Claro que não! Eu aceito o trabalho.” Tiago queria estar dentro da SAP, não importa de que maneira.
Por oito meses ele limpou o escritório com dedicação, sempre cumprimentando os funcionários e sendo cordial com todos que cruzavam seu caminho. Esta atitude positiva acabou gerando inveja e ciúmes de algumas pessoas, mas Tiago nunca desistiu. Ele sempre fez o que achava ser o certo, convertendo toda negatividade que recebia em energia positiva para impulsioná-lo ainda mais na busca de seu objetivo.

…para ajudar a internacionalizar os produtos da SAP

Até que um dia, enquanto limpava os corredores do segundo andar, ele perguntou a um bom amigo: “O que eu devo fazer para conseguir um lugar aqui na SAP?” O amigo respondeu: “Se você quiser, eu posso te entrevistar agora mesmo.” Naquele dia, alguém viu em Tiago uma oportunidade. Aquela simples pergunta vai permanecer em sua memória para sempre. Alguns dias depois de enviar seu currículo, ele começou a trabalhar como estagiário no time de Globalization – Banking
.
Depois de tanta luta, depois de passar por díficeis condições de trabalho, depois de tantos obstáculos que a vida lhe impôs, Tiago perseverou e atingiu seu objetivo. “Desde o início eu me imaginei aqui dentro e fiz disso uma meta em minha vida. Eu tinha certeza de que eu conseguiria porque me foquei nisso, eu podia enxergar meu futuro aqui.”

Hoje ele agradece a cada um daqueles colegas que, desde os tempos em que ele trabalhava no estacionamento, acreditaram no seu potencial e o ajudaram a realizar este sonho.

Comments 12 comentários »

Olá Pessoal,

No processo de configuração de roteadores, switches e outros equipamentos Cisco, algumas vezes a gente se depara com limitações de software. Limitações como não permitir a configuaração de BGP, IS-IS, ou até mesmo private-vlans em switches nos deixam frustrados, pois sempre buscamos utilizar todo o potencial do equipamento.

Com base nesta frustração, foram descobertas duas ferramentas que utilizadas em conjunto trazem benefícios no entendimento e explicação das funções disponíveis no IOS, e um local onde é possível fazer o download de IOS para que possam ser feitos testes, para então obter a versão original do mesmo.

A primeira ferramenta, é o Cisco Feature Navigator em que é possível verificar todos os IOS disponíveis para o equipamento em questão, e ainda é possível filtrar com as funcionalidades que se quer presentes no IOS, como VPN, DDNS, roteamento BGP, e etc. Após escolher o modelo,  release (12.2, 12.2T e mais), e features (AdvIpserves, suporte a 3DES e etc), é apresentado o nome completo, utilização da  DRAM e  da Flash da imagem do IOS. Estes dados são apresentados na figura abaixo.

Localizador de funcionalidades das IOS Cisco

A segunda ferramenta, que complementa a primeira, é o IOSHUNTER. Esta ferramenta permite buscar por IOSs por modelo de equipamento. Desta forma, quando se decide qual IOS será utilizado no roteador, por meio da ferramenta anterior, é possível efetuar o download nesta ferramenta. Na figura abaixo, é possível verificar alguns dos muitos IOS disponíveis para a série 800, o meu novo roteador ADSL (em breve fotos do início do meu Cisco HomeLab).Software Ios Hunter

A utilização destas duas ferramentas em conjunto permite maior rapidez na identificação do IOS que satisfaz os requisitos necessários, permitindo um download rápido da imagem para testes. Ressalto, que após este processo a IOS deve ser adquirida.

Um grande abraço pessoal,

Maurício.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Esta dica foi para fechar com chave de ouro o ano, descoberta pelo Deco, do forum ccna.

A empresa Opengear em parceria com a comunidade Packetlife.net está disponibilizando desde 12/novembro/2009, o acesso gratuito a um laboratório completo com equipamentos Cisco reais. E não é qualquer laboratóriozinho, o acesso console é permitido a switches, switches L3, ASA e roteadores!

Este laboratório possui dois blocos iguais que contemplam os seguintes equipamentos.

  • 2x Cisco ASA 5505 - FW1 e FW2
  • 2x Cisco 2811 (2xWIC-2T) - R1 e R2
  • 2x Cisco 1841 (1xWIC-2T) - R3 e R4
  • 2x Cisco 1841 (1xWIC-2T) - R5 e R6
  • 1x Juniper J2300 - R7
  • 1x TBD - R8
  • 2x Cisco Catalyst 3550-24 - S1 e S2
  • 2x Cisco Catalyst 3550-24 (Inline Power) - S3 e S4
As topologias possíveis são apresentadas abaixo.
Topologia Ethernet do PacketLife Lab
Topologia Serial do PacketLife Lab

Para se fazer a reserva, deve-se entrar na parte do lab no site da comunidade , e clicar em Lab Schedule. Neste ponto, é possível verificar as reservas que já foram feitas para utilização dos laboratórios. Você pode reservar qualquer dia e horário (desde que livre), por períodos que variam de 1 - 8 horas! É o máximo!!!!

Eu já reservei para a próxima terça-feira a tarde, após a utilização eu atualizo com o Review.

Review:

Para mais informações de como foi feito o Lab, acesse este link.

Um grande abraço,

Maurício.

Comments 8 comentários »

Olá Pessoal,

Quem me conheceu quando eu era mais gurí não imaginaria que algum dia iria dizer isso. Mas, é a pura verdade.

Estudar algo que você gosta não tem preço, por livre e espontânea vontade visando o futuro, melhor ainda!!!

A foto que apresento abaixo engloba uma parte de meus objetivos para 2009, e passar etapa por etapa até a concretização de cada está sendo o máximo!

Bentow - Prazeres e prazeres

“Planeje o amanhã, mas viva o hoje!”

Nunca esqueçam disso.

Um grande abraço,

Maurício.

Comments 7 comentários »

Olá Pessoal,

O NetRiders foi um desafio proposto pela Cisco para testar o conhecimento dos participantes das Américas a nível CCNA.

No total são 3 etapas, sendo que a etapa final será realizada entre 17 e 28 de agosto. Muitos participaram desta competição, mas apenas 4 se classificaram para a segunda etapa e apenas um brasileiro foi para a última etapa, o sr. Aldrin Luigi da Silva, freqüentador do forum CCNA.

A Cisco anunciou os Top 20 de cada país, mas é muito estranho que o Aldrin apareceu como 4o, mas ele representará nosso país na final.

O resultado é apresentado abaixo:

Netriders - Top 20 do Brasil.

O link no qual os resultados foram extraídos é:

http://www.cisco.com/web/LA/netacad/netriders/PT/ranking.html#brazil-map

Um grande abraço,

Maurício Bento Ghem.

Comments 5 comentários »

Olá Pessoal,

Estudando para a BCMSN reparei numa pergunta com uma resposta errada de um simulado e resolvi tirar a prova disso.

Em resumo, a pergunta era:

- É possível que dois hosts na mesma sub-rede e em VLANs diferentes se comuniquem sem o intermédio de um roteador?

Eu vos digo, é possível. Isto ocorre devido a uma configuração não tão convencional.

Abaixo, apresento uma imagem da topologia, das configurações, e, subseqüentemente o arquivo do Packet Tracer.

1o Desafio CCNA

Download do arquivo Packet Tracer do 1o Desafio CCNA - Ping entre 2 Vlans diferentes

Gostaria que vocês comentassem o porque isso aconteceu.

No final da semana explico.

Um grande abraço,

Maurício Bento Ghem.

Comments 16 comentários »

Olá Pessoal,

Ao longo da semana, pensando em expandir os horizontes do blog, descobri uma ferramenta para realizar a tradução semi-automática do blog para o inglês.
Eu pensava nesta iniciativa a um bom tempo, mas nunca tive tempo para concretizá-la devido a minha dedicação Full-time para os estudos.

Agora, o blog terá o título em inglês :D

Cisco CCNA || Study Guide

Um grande abraço,
Maurício.

Comments 5 comentários »

Olá Pessoal,

Ao longo de meus estudos para a Certificação CCNA, tive muitas facilidades em relação à parte prática. Como fiz o curso Cisco Netacad de 2002 até 2004 com professores muito bons pude praticar bastante todo tipo de configuração, troubleshooting e muito mais. Tudo isso com dispositivos reais.

O que vejo em alguns roteiros de estudos de pessoas que estudam por contra própria é certa carência de prática no período intermediário de estudo. Ao meu ver, isso acontece devido à dificuldade em montar cenários e criar configurações do zero.

Neste post, quero disponibilizar a todos um ‘pacotão’ de laboratórios para o Packet Tracer que aborda diversos conceitos por meio de topologias variadas. Mas, o melhor de tudo é que o laboratório já lhe guia através de seus objetivos de configuração e/ou troubleshooting. Quando você finalizar a configuração clique em Check Results para verificar a score e obter um feedback de sua configuração.

Abaixo é apresentada a tela da topologia e de objetivo.
Pacotão de Laboratórios - Tela de Objetivos

Este pacotão possui diversos laboratórios, mas os que foram utilizado por mim estão disponíveis no primeiro link, da pasta PT3.2Saves. No segundo link, estão disponíveis outros laboratórios. Alguns, além de possuir o arquivo base contêm as respostas feitas por mim.

O arquivo que possui todo o passo-a-passo a ser aberto é o que possui a extensão PKA.

Seguem os links para download:

Pacotão de Laboratórios Passo-a-passo para CCNA PT3.2Saves

Pacotão de Laboratórios Passo-a-passo para CCNA Outros

Qualquer dúvida entre em contato.

Um grande abraço e sucesso a todos!

Maurício Bentow Ghem.

Comments 42 comentários »

Olá Pessoal,

Fiz este resumo sobre pontos mais importantes do IPv6 para ser didático, compreensível e objetivo. O nível de abrangência deste resumo ficaria num ponto intermediário entre as certificações CCNA e BSCI. Segue abaixo.

IPv6

- Foi adicionado diversas funcionalidades se comparado com o IPv4, tais como: 128 bits para endereçamento (IPv4 apenas 32), segurança (através de extension headers), técnicas para transição de IPv4 para IPv6, QOS embebbed (direto no  header), autoconfiguration (permite um host obter um endereço IP sem ter que rodar um DHCP na rede) e mobilidade IP.

- O endereço IPv6 possui 128 bits e é dividido em 8 ’sextetos’, cada um com 16 bits.

- O Header (incluindo IPs de origem e destino) possui 320 bits, sem as extensões - apresentado abaixo.

Header IPv6

- IPv6 não possui o campo checksum (e nem o realiza) por considerar que o controle de erros das camadas inferiores é confiável.

- IPv6 não usa broadcast, e sim multicast. Um broadcast poderia ser simulado enviando um multicast para o endereço All-nodes, escopo Link-local (FF02::1).

- Endereço de Loopback - ::1/128 (IPv4 = 127.0.0.1). Endereço default-route - ::0/0 (IPv4 = 0.0.0.0/0).

- EUI-64: formato derivado do MAC-address utilizado para se atribuir endereços Link-Local. É pego o MAC address (48 bits), inserido o número hexadecimal FFFE no meio dele e modificado os primeiros 2 bits (de 00 para 20), portanto o MAC 00eb.1234.3322 no formato EUI-64 ficaria: 02eb:12ff:fe34:3322. Enfim, agregando o prefixo para endereços Link-local teríamos: FE80::02eb:12ff:fe34:3322.

- Tipos de endereços IPv6:

  • Global Unicast: Identifica um host único na Internet. Serão atribuidos prefixos para cada organização (48 bits ou menos), como visto na figura. A IANA definiu o prefixo para estes prefixos como 2000::/3.Prefixo Global Unicast
  • Link-Local: Cada interface recebe um destes endereços. É utilizado para os dispositivos na mesma rede se comunicarem sem ter de utilizar o endereço Global Unicast. Utilizam o Prefixo FE80::/10 + o formato EUI-64.
  • Site-local. Endereço único dentro do escopo da organização, não roteável na Internet. Prefixo: FEC0::/10.

- Multicast: Identificado pelo prefixo FF00::/8. Os próximos 4 bits são flags, e os outros 4 próximos definem o escopo do Multicast (apresentados abaixo). Ao lado, é apresentado um esquema da abrangência dos escopos.

IPv6 - Escopo Multicast

  • 1 = Interface-local.
  • 2 = Link-local.
  • 5 = Site-local.
  • 8 = Organization-local.
  • E = Global.

- Anycast: Um endereço Global Unicast atribuido a mais de um dispositivo, definido-o como anycast. Tem como função rotear para o dispositivo anycast mais próximo. Veja abaixo.

Endereço Anycast demonstrado

- Hosts Ipv6 devem responder pelo menos nos seguintes endereços:

  • Global Unicast e Anycast (2000::/3)
  • Link-local (FE80::/10, por autoconfiguration
  • Loopback (::1/128)
  • All-nodes Multicast (FF01::1 e FF02::1)
  • Outro grupo multicast atribuido.

- Roteadores, além de responder neste endereços devem ainda responder em:

  • Endereço Anycast da subrede (endereço da subrede com o Interface ID - endereço do host - setado em 0)
  • All-routers Multicast (FF01::2, FF02::2, FF05::2)
  • Grupos de multicast definidos por protocolos de roteamento (se aplicável). EIGRP for IPv6: FF02::10, OSPFv3: FF02::5 (todos Routers) e FF02::6 (apenas DR e BDR).

- As principais formas de transição do IPv4 para IPv6 pode ser feita através do Dual Stack (rodar ambos IPv4 e IPv6 até não ter mais necessidade de IPv4) e Tunelamento (encapsular o pacote IPv6 dentro de um pacote IPv4 - figura). Para o tunelamento é previsto o prefixo 2002::/16.
Tunelamento IPv6

Referências

- CCNP BSCI Official Exam Certification Guide 4th edition, por Brent Stewart. CiscoPress

- CCNA 4.1 Guia Completo de Estudo, por Marco Filippetti. Visual Books

- CertProject, imagem do header IPv6.

Cisco IOS IPv6 Multicast Introduction - MT BOM.

RFC 3513 Internet Protocol Version 6 (IPv6) Addressing.

Gostaria de dedicar apoio especial a todos que estarão se certificando ao longo do mês de junho.

Um grande abraço,

Maurício Bento Ghem.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Como estou estudando para BSCI fiz um grande resumão de cada um dos protocolos de roteamento para IPv4.

Um detalhe que deve-se observar é que este resumão foi feito em inglês (:S). Acreditem pessoal, eu consigo pensar melhor em inglês atualmente, especialmente para o estudo. Como o resumo é apresentado em tópicos é interessante para todos.

Para os que estão estudando para a CCNA é interessante dar uma breve olhada para ver o que tem por aí e aproveitar alguns tópicos que são escopo da certificação.

Um abração,

Maurício.

Segue abaixo:

Big Resume

EIGRP:
- Cisco proprietary and distance vector protocol (hybrid).
- Incremental updates.
- Uses Dual and crazy metric with K-values (1,3, Bw e DLY default)
- Establishes neighbors and mainting 3 tables (neighbor, topology, routing table).
- Neighbors must match: authentication, subnet, k-values, hello and dead timers.
- Only protocol that supports unequal cost load-balancing and backup routes (Feasible sucessor).
- If FS > AD the router can be a Feasible Sucessor.
- If there isn’t a feasible sucessor the router sends queryes for its neighbors asking for the route.
- Stuck-in-Active (SIA) is when a network is so big that it searches through it. To solve, router stub or summarization.
- Support ip summary address eigrp in the interface for summarizing the networks.
- Support keychain MD5 and plaintext authentication per interface.
- Support percentage of bandwidth usage, very used in PVC links.
- If you redistribute into EIGRP and don’t set a default-metric the route don’t to go to the routing table, because metric = infinite.»Continuar lendo Resumo de Protocolos de Roteamento - EIGRP + OSPF + ISIS + BGP

Comments 1 comentário »

Olá Pessoal,

Após uma série de problemas técnicos enfrentados e agora 100%, com mais largura de banda para o site e redundância, gostaria de contribuir uma compilação de laboratórios para a prática visando a Certificação CCNA.

Os laboratórios abaixo já foram postados no blog. Foi feita uma compilação para agrupar num post todos que foram criados para a CCNA e foram feitos para o Packet Tracer, possibilitando reproduzí-los com apenas um duplo clique no arquivo do PT.

Seguem abaixo:

Laboratório Ripv2 - Configuração e prática de comandos.
Laboratório EIGRP - Sucessor, FS e Topology table.
Laboratório OSPF - Convergência DR & BDR.
Laboratório STP (Spanning Tree) - Convergência.
Laboratório Frame Relay - Configuração, prática e aprendizado de comandos.
Laboratório VLAN Trunking - Configuração e identificação de Trunking.

Vale lembrar no blog estão disponíveis outros laboratórios, mas focados na certificação de nível profissional da cisco, CCNP.

Espero que tenha sido de grande utilidade e me ponho a disposição para responder a quaisquer dúvidas.

Um abração,

Maurício.

Comments 12 comentários »

Olá Pessoal,

Criei este artigo para comparar o Packet Tracer 5.1 e o Dynamips (através do GNS3) associados ao uso para a CCNA.

Cada um destes programas tem as suas peculiaridades, facilidades e recursos. Quero ressaltar que estarei comparando estes programas para o seu uso na Certificação CCNA, pois para CCNP e subsequentes recomendo o Dynamips sem sombra de dúvida.

Packet Tracer

Oficialmente, este software é disponível somente para alunos do Netacad. Em sua versão 5.1 este software realiza a SIMULAÇÃO de roteadores e switches Cisco. Ele é muito bom no quesito desempenho, pois como não desempenha a função real do equipamento, e sim apenas a simula, não consome muitos recursos da máquina, mas também não proporciona todos os comandos de um roteador, muitos foram apagados. No quesito didática, o Packet Tracer é incrível! Para todos que estão iniciando no roteamento e nas configurações, em seu modo Simulation, é possível ver o pacote ou quadro/frame trafegando de um dispositivo para outro. E mais, se você clicar no pacote conforme ele passa pelo dispositivos é possível ver todo o processamento deste (encaminhar, descartar, etc…) e o próprio simulador te diz a pilha de verificações que ele faz para saber para onde encaminhar o pacote ou quadro (verifica tabela de roteamento, verificar NAT, encontrou entrada NAT, etc…). Estas informações podem ser vistas abaixo.

Packet Tracer Bentow

Dynamips (GNS3)

Enquanto que o PT é um simulador, o Dynamips é um EMULADOR unicamente de roteadores, ou seja ele pega a IOS oficial do dispositivo e a emula em sua máquina. No quesito funcionalidade você tem um roteador real na sua frente podendo até colocar ele para rotear, associando sua placa de rede física ao emulador. Esta funcionalidade completa de um roteador tem um custo, processamento e memória. É possível emular um roteador 3600 (IOS 12.3) com 64 MB de RAM, enquanto que um 7200 (IOS 12.4) precisa de 128MB, sem falar no processamento necessário.. O Dynamips seria mais indicado para todos que conhecem e bem roteamento e estão familiarizados com a rota de um pacote baseado nas tabelas de roteamento (e outros detalhes como filtro com ACL e etc…).

O GNS3 proporciona a facilidade de você desenhar a sua topologia e rodá-la com o Dynamips, similar ao Packet Tracer (para configurá-lo acesse Tutorial GNS3. Abaixo, é apresentada uma screenshot do Dynamips rodando 4 roteadores 7200, cada um com 128 de RAM alocados configurados segundo o Laborátorio IPv6 e OSPFv3.

Dynamips e GNS3 - Bentow

Conclusão

O Packet Tracer, ao meu ver, supre todas as necessidades de configuração no escopo da CCNA, através de seu simulador. Realiza todas as funções sem muito custo de máquina, possui toda uma parte didática importante para quem está começando e possui um pouco mais de facilidade na hora de criar, ou mesmo de importar um laboratório.

O Dynamips é uma plataforma completa, pois emula o dispositivo. Você tem o acesso completo e irrestrito ao IOS do roteador, mas você precisa ter uma máquina potente. Na figura acima foi utilizado um Core 2 Duo 1,8Ghz c/ 2GB de RAM. Na hora do bootstrap a máquina vai a 100% por um tempo até estabilizar. Se você pretende  num curto prazo fazer certificações de nível profissional da Cisco é interessante usar o Dynamips para ir praticando e testando comandos um pouco mais avançados e a interface ‘real’ de um roteador.

Para o CCNA, eu fico com o Packet Tracer.

Espero que este artigo tenha sido bastante esclarecedor para todos que tem a dúvida sobre qual software utilizar para realizar os laboratórios para a CCNA.

Um forte abraço pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments 9 comentários »

Mauricio Bento Ghem CCNA

Olá Pessoal,

É com muito prazer que lhes apresento em primeira mão parte do resultado da minha jornada de estudo, o Certificado CCNA.

Eu disse parte, pois o certificado é apenas uma pequena parte do que esta experiência me agregou. A Grande parte foi o conhecimento que tive através do estudo para passar na certificação.

Gostaria de dedicar este certificado aos meus pais e meu irmão por entender quando abria mão de tudo para estudar e principalmente minha namorada por ver minha dedicação e me apoiar a todo momento. Amo todos vocês!

»Continuar lendo Certificado CCNA + Dedicaçao e Inspiraçao

Comments 14 comentários »

Olá pessoal,

Quero lhes passar neste post o que deve ser feito para obter o melhor rendimento e desempenho no CCNA.

Não pensem que o psicológico não influi no seu resultado da prova, influi SIM, mas indiretamente. Se você está a 3 semanas estudando muito, dormindo pouco, cansado, estressado, a sua mente está cansada e tensa.

A seguir, quero compartilhar todo o processo que fiz um dia antes da prova para possibilitar um descanso total da mente e relaxamento.

»Continuar lendo Recomendações para o dia anterior ao Exame CCNA

Comments 2 comentários »

Topologia do laboratório de configuração do Ripv2

Olá pessoal,

Fazia algum tempo que eu não colocava nenhum post a respeito da CCNA devido ao meu estudo para o próximo passo, o CCNP.

Este laboratório visa a configuração de diversos fatores do RipV2, como: passive-interfaces, no auto-summary e roteamento.

»Continuar lendo Laboratório Ripv2

Comments 9 comentários »

Piramide de Níveis Profissionais CiscoOlá Pessoal,

Este post é dedicado a todos que gostariam de saber exatamente o que precisa para ser um CCNA, o que ele faz e as oportunidade para o CCNA.

As informações abaixo foram transcritas diretamente do website Syllabus da Cisco. Este website contém informações a respeito de todas certificações e as habilidade adquiridas com elas.

»Continuar lendo Carreira na Cisco. Ser ou ser CCNA.

Comments Nenhum comentário »

QuestionOlá Pessoal,

Esta tecla bateu na minha cabeça hoje pela manhã.

Firmei um compromisso de auxiliar pessoas que têm o mesmo objetivo que eu, só que eu consegui atingir parte de meu objetivo.

Gostaria de agora ajudar vocês para conseguirem a sua, a nossa tão almejada Certificação CCNA.

Através deste post, gostaria de deixar um canal de contato para todos que acompanham este blog para me enviarem sugestões sobre tópicos que ficaram em dúvida, sobre questões da prova, dicas psicológicas para preparação…

»Continuar lendo Material CCNA. Sugestões do leitor

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Agora que sou certificado CCNA, vamos partir para a próxima.

Esta dica vai para todos que, como eu, estão rumo a certificação CCNP (ou acima), ou ainda estão de saco cheio do Packet Tracer da Cisco.

Consiste na instalação e o set-up do pacotão GNS3 que já instala o Dynamips e o Dynagen para simular um roteador real Cisco. Segue imagem abaixo:

GNS3 (Dynamips e Dynagen) em pleno funcionamento

Iniciando este tutorial GNS3

  1. Efetue o download do pacotão do GNS3. Neste pacote esta incluso tudo que será necessário para rodar o simulador. Disponível em: http://www.gns3.net/download.
  2. Faça o download de IOS que serão utilizadas para emular o roteador Cisco correspondente. Neste caso, foi utilizado as séries 2600, 3600 e 7200. IOS disponíveis, por sua conta e risco, em: http://www.4shared.com/dir/7179596/e3a488a5/sharing.html
  3. A instalação é feita como qualquer aplicativo Windows, next -> next -> Finish.
  4. Execute o aplicativo.
  5. Dentro dele, deve-se incluir as IOSs. Acesso o menu Edit -> IOS Images and Supervisors, nesta tela, deve-se apontar o caminho para o IOS e definir o modelo do roteador. Faça este passo para todas IOS que desejar.
  6. Crie a topologia desejada e aperte o botão play para iniciar todos dispositivos.
  7. Para conectar em cada um deles, clique com o botão direito do mouse e entre em Console.
  8. No meu caso, eu prefiro utilizar o Putty para gerenciar o console. Então, entre no menu Edit -> Preferences, na aba General modifique a linha start telnet %h %p por:

    start d:\[localdoputty]\putty.exe -telnet %h %p

Espero que este tutorial ajude você a criar um cenário inicial com o Dynamips. Abaixo, estão alguns links interessantes que demonstram muitos passos apresentados aqui através de vídeos.

http://www.blindhog.net/gns3-how-to-build-an-internet-lab/

http://www.blindhog.net/tutorials/gns3-putty-console.htm

http://www.blindhog.net/gns3-installation-tutorial-for-linux/

Um abração pessoal,

Maurício.

Comments 13 comentários »

Olá pessoal,

PASSEI NA 640-802 CISCO CCNA :DDD

Acabei de postar na thread do forum do Marco “Passei no CCNA” sobre os meus resultados na Certificação CCNA 640-802.

Abaixo, transcrevo meu comentário.

Passei hoje (23/03/2009) na Certificação CCNA 640-802:

Minha nota: 916

Nota de corte: 825.

Eu tive 2 horas para fazer a prova, pois fiz ela em inglês mas quando terminei ainda faltavam 47 minutos.

Foram 44 questões.

Caíram 2 laboratórios de configuração, 1 de dar shows e responder as questões, 3 drags and drops, muitas questões sobre VLSM e de resto todo o conteúdo. Uma questão de IPv6 me rachou a cara, não sabia um item e me ralei.

Sobre o estudo, eu fiz o netacademy até 2006, fiz a 640-801 e não passei. Este ano como estou me formando na faculdade (Eng. da computação) e resolvi me puxar para fazer a certificação este ano.

Estudei desde janeiro pelo livro do Marco, o CCNA 4.1. Utilizei como minha principal fonte de referência. As minhas dúvidas mais específicas eram resolvidas pelo Netacademy e pelo livro 3.1 da 640-801 do Wendell Odom. Algumas dúvidas tirei no forum. Quando eu senti firmeza, fiz uns TKs para ver meus pontos fracos e refiz o ciclo de estudo para fortalecê-los (muito boa esta estratégia).

Fiz muitos laboratórios relacionados a EIGRP, OSPF, STP e outros, tudo no PacketTracer. Não utilizei o Dynamips por hora pela facilidade de analisar pacotes com o PT 5.1.

Ao longo de minha jornada, fui disponibilizando resumos, dicas, laboratórios e muitos outros materiais no meu blog: www.bentow.com.br

Agora, começar a estudar rumo ao CCNP. Valeu pessoal.

Para todos que querem seguir meus passos, abaixo eu coloco o endereço do meu blog que continuarei mantendo com materiais para quem tiver o objetivo de passar na CCNA.

www.bentow.com.br

Um abração pessoal,

E que nem diz o Ferrugem: “Juntos somos melhores”.

Para todos que atingirem a certificação, vocês receberão uma folha de feedback como as que recebi, apresentando a nota em cada tópico da certificação. Seguem abaixo:

Folha 1

CCNA Completition Brief Pagina 1

Folha 2

CCNA Completition Brief Pagina 2
Mais tarde farei um post detalhado sobre meu percurso de estudo.

Sou muito grato a todos que contribuíram para este objetivo.

Um abração pessoal,

E para qualquer dúvida sou muito grato em ajudar.

Maurício.

Comments 3 comentários »

Olá Pessoal,

Fiz este laboratório para podermos entender como funcionam as diferenças entre as tabelas de roteamento e a de topologia do protocolo EIGRP.

O laboratório consiste em modificar as larguras de banda dos enlaces, para monitorar o resultado na tabelas topológica e de roteamento e verificar a convergência entre estas.

O download do laboratório com as configurações utilizadas pode ser feito aqui abaixo:

Laboratorio EIGRP - Sucessor e Feasible Sucessor

Abaixo é apresentado uma imagem do laboratório e as instruções.

Laboratório EIGRP - Sucessor e Feasible Sucessor

Um abração pessoal,

Maurício.

Comments 1 comentário »