Arquivo da Categoria “Dynamips”


Olá Pessoal,

Dando continuidade a meus estudos sobre protocolos que permitam a alta disponibilidade, fiz um laboratório com o protocolo HSRP (Hot standby Router Protocol). Além de todos os aspectos comentados sobre este protocolo no post sobre Resumo de Protocolos de Alta Disponibilidade, este laboratório contempla ainda: interface tracking, preempting, mudança nos timers.

A configuração do HSRP é bastante simples, mas são necessários alguns comandos a mais para executar a contento. Abaixo, seguem os passos utilizados para a configuração do gateway principal, o R0 no diagrama.

  1. standby 1 ip 192.168.1.1 - Este comando define o endereço IP de standby, o endereço virtual.
  2. standby 1 priority 200 - Como este roteador será o gateway principal, a prioridade é elevada (default é 100).
  3. standby 1 timers 1 4 - Queremos que a convergência seja mais rápida quando ocorrer uma falha, por isso reduzimos os hello e dead timers (default é 3 / 10).
  4. standby 1 track FastEthernet0/0 60 - Com este comando, ativamos o interface tracking. Se a interface FastEthernet 0/0 for para o estado down, a prioridade deste roteador é reduzida em 60, fazendo com que o roteador R1, configurado com prioridade 150 e preempting, assuma o papel de gateway.
  5. standby 1 preempt delay minimum 10 reload 30 - Este último comando é bastante interessante. Se a interface FastEthernet 0/0 for para down ou o roteador ser desligado, quando algum dos dois voltar, a priorirdade será 200 e o roteador como está configurado com o preempting ele assumirá o papel de ativo, tornando-se o gateway. Mas, foram passados parametros para que quando ele tiver a prioridade mais alta (em seu retorno) ele espere um mínimo de 10 segundos para assumir como gateway, e 30 segundos se ele tiver sido reiniciado. Desta maneira, informações de protocolos de roteamento podem ser reaprendidas antes mesmo dele assumir o papel de gateway na rede.

A topologia utilizada para o laboratório é a seguinte (ressalto que o PC1 foi utilizado um roteador configurado com no ip routing).
Topologia - Laboratório HSRP

Na figura abaixo, é possível verificar o momento em que ocorre a mudança de gateway. Foi dado o comando shutdown na interface F0/0 de R0, o tracking entrou em funcionamento reduzindo a prioridade para 140, R1 como está configurado para preempt, verificou que sua prioridade é maior, então assumiu o papel do gateway. Com os timers alterados, foram perdidos apenas 3 pacotes icmps nesta mudança.

HSRP Convergency.

Os roteadores utilizam a IOS c3620-os-mz.123-15, disponível no HD do blog. A configuração final está salva na NVRAM, se você quiser configurar do zero, os arquivos txt contêm a configuração básica, como IP e senhas. Segue o link para download do laboratório.

Laboratório HSRP - Alta disponibilidade com tracking de interfaces e modificação de timers

Desejo a todos um ótimo final de semana.

Um grande abraço,

Maurício Bento Ghem.

Comments 2 comentários »

Olá pessoal,

Conforme progredi em meus estudos, decidi testar alguns comandos no Dynamips para ver o que ele suporta de fato, ao utilizar o módulo NM-16ESW que permite ao roteador exercer funções de switch.

Este módulo é utilizado, pois o Dynamips não suporta IOSs de Switches, apenas de roteadores. Então, o workaround que se faz é conectar um módulo que permite funções de switching :D.

Enquanto escrevo este post, estou finalizando a leitura da segunda etapa do livro oficial Cisco Press, descrito na minha metodologia de estudos. Neste momento, tomei a liberdade de começar a testar diversos comandos, mesmo os que eu ainda não vi, para ver até onde é possível praticar e aprender com o Dynamips para a BCMSN.

Percebi que os comandos suportados são os mesmos que o módulo descrito anteriormente suporta. Os conceitos que pude verificar numa análise superficial são: spanning-tree (faltam PVST, PVST+ e outros), bpduguard, voice VLANs, errdisable (para alguns atributos) e etherchannel. Ressalto que não estudei por completo a parte de L3-switching e muito mais.

Por fim, gostaria de deixar a tabela disponibilizada no link abaixo que apresenta as features suportadas por este módulo.

http://www.cisco.com/en/US/prod/collateral/routers/ps259/product_data_sheet09186a00801aca3e.html

Modulo NM-16ESW

Um grande abraço,

Maurício.

Comments 9 comentários »

Olá Pessoal,

 

Uma parte bastante complexa do protocolo BGP é a comunicação dentro do sistema autônomo, ou seja, quando ele roda como IBGP (interior). Diversas regras do BGP se alteram quando a comunicação e troca de rotas ocorrem dentro do sistema autônomo, sendo que a topologia deve ser bem planejada para configurar os roteadores da maneira adequada.

Este laboratório é focado na comunicação IBGP, e para o tornar mais interessante, os routers não estão na disposição full-meshed. Deve-se ter em mente que as rotas aprendidas pelo IBGP não são anunciadas para outros IBGP peers, por isso a disposição full-mesh é muito utilizada. Quando não é possível é introduzido um route-reflector.

Um route-reflector nada mais é que um roteador que replica sua tabela BGP para seus peers configurados.

Segue abaixo a topologia.

Topologia - Laboratorio Bgp - IBGP peers

As recomendações padrão: usar e abusar de comandos show e debug, entender o funcionamento e trocas de rotas e APRENDER com o laboratório. Foram utilizadas as IOS c3620-is-mz.123-15 e c7200-ik9o3s-mz.123-22 ambas disponíveis no HD do blog. Os arquivos TXT incluídos possuem as configurações inicias do laboratório sendo que o laboratório (.NET) já possui as configurações finais com tudo funcionando. Segue abaixo o link para download.

Laboratório BGP - IBGP Peers

 

Um forte abraço para todos e boa semana.

Maurício.

PS: Para os que têm problemas com inglês entrem em contato comigo que traduzo para português. Os comentários feitos por mim estão sendo feitos em inglês devido a prática, material de estudo e prova serem tudo nesta língua, portanto, vamos se puxar galera. Outro abraço.


Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

É com muito orgulho que vos apresento um laboratório muito interessante, seguindo o título original do Lab:

Laboratório OSPF e IS-IS com redistribution bidirecional e NSSA area com default-route, ilustrado abaixo.

Topologia - Laboratorio OSPF e ISIS com redirecionamento bidirecional

Com este lab foi possível adquirir inúmeros conhecimentos, principalmente de redistribuição de rotas entre protocolos.

Após bastante tempo tentando implementar a maneira ótima para a redistribuição, ou seja, redistribuir apenas as summary routes (foi utilizado endereçamento hierárquico), finalmente consegui e lhes disponibilizo o laboratório. Reparem que foi utilizada uma área NSSA (not-so-stubby area) do OSPF para complicar um pouco mais a situação.

Como todos os laboratórios publicados por mim, corrijam os caminhos no arquivo .net e peguem as IOS correspondentes no HD do blog, pasta IOS. Lembrem-se de que para realizar o laboratório desde o início, ou seja, configurar cada um dos dispositivos eu disponibilizo a configuração base nos arquivos TXT, sendo que a configuração final está nos arquivos .cfg, na subpasta.

Também, seguem as mesmas recomendações de aprendizado. Usem e abusem de comandos show e debug, modifiquem as configurações, derrubem os links para verificar a convergência. Utilizem este Lab para aprender.

Segue abaixo o link para download do laboratório:

Laboratorio OSPF e ISIS com Redistribution bidirecional

Qualquer dúvida, sintam-se a vontade para entrar em contato comigo.

Um abração pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments 2 comentários »

Laboratorio IS-IS MultiareaOlá Pessoal,

Seguindo meus estudos para a BSCI, a primeira das quatro provas do CCNP, apresento-lhes um laboratório que fiz para entender o funcionamento do protocolo Integrated IS-IS.

Este protocolo numa primeira instância parece ser complicado, mas não há nada disso. A diferença é que ele se baseia no endereçamento OSI e não IP em suas origens. Outra vantagem é que ele roda na camada de Enlace.

O laboratório baseia-se numa configuração multi-area que utiliza três dispositivos Level 1-2 e outros três Level 1 para roteamento interno das áreas. A topologia é feita sob uma rede Frame-relay multiponto como é visto na figura.

Foi utilizada a IOS c7200-ik9o3s-mz.123-22.bin disponível do HD do blog pasta IOS.

Relembro que deve-se modificar os paths das IOS no arquivo .net incluso. Também, ressalto que a configuração na NVRAM dos routers é a completa após êxito do laboratório. Se você deseja iniciar uma nova configuração utilize os TXTs como configuração base.

Abaixo segue o link para download:

Laboratorio IS-IS Multiarea com Framerelay

Um abração pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Criei este artigo para comparar o Packet Tracer 5.1 e o Dynamips (através do GNS3) associados ao uso para a CCNA.

Cada um destes programas tem as suas peculiaridades, facilidades e recursos. Quero ressaltar que estarei comparando estes programas para o seu uso na Certificação CCNA, pois para CCNP e subsequentes recomendo o Dynamips sem sombra de dúvida.

Packet Tracer

Oficialmente, este software é disponível somente para alunos do Netacad. Em sua versão 5.1 este software realiza a SIMULAÇÃO de roteadores e switches Cisco. Ele é muito bom no quesito desempenho, pois como não desempenha a função real do equipamento, e sim apenas a simula, não consome muitos recursos da máquina, mas também não proporciona todos os comandos de um roteador, muitos foram apagados. No quesito didática, o Packet Tracer é incrível! Para todos que estão iniciando no roteamento e nas configurações, em seu modo Simulation, é possível ver o pacote ou quadro/frame trafegando de um dispositivo para outro. E mais, se você clicar no pacote conforme ele passa pelo dispositivos é possível ver todo o processamento deste (encaminhar, descartar, etc…) e o próprio simulador te diz a pilha de verificações que ele faz para saber para onde encaminhar o pacote ou quadro (verifica tabela de roteamento, verificar NAT, encontrou entrada NAT, etc…). Estas informações podem ser vistas abaixo.

Packet Tracer Bentow

Dynamips (GNS3)

Enquanto que o PT é um simulador, o Dynamips é um EMULADOR unicamente de roteadores, ou seja ele pega a IOS oficial do dispositivo e a emula em sua máquina. No quesito funcionalidade você tem um roteador real na sua frente podendo até colocar ele para rotear, associando sua placa de rede física ao emulador. Esta funcionalidade completa de um roteador tem um custo, processamento e memória. É possível emular um roteador 3600 (IOS 12.3) com 64 MB de RAM, enquanto que um 7200 (IOS 12.4) precisa de 128MB, sem falar no processamento necessário.. O Dynamips seria mais indicado para todos que conhecem e bem roteamento e estão familiarizados com a rota de um pacote baseado nas tabelas de roteamento (e outros detalhes como filtro com ACL e etc…).

O GNS3 proporciona a facilidade de você desenhar a sua topologia e rodá-la com o Dynamips, similar ao Packet Tracer (para configurá-lo acesse Tutorial GNS3. Abaixo, é apresentada uma screenshot do Dynamips rodando 4 roteadores 7200, cada um com 128 de RAM alocados configurados segundo o Laborátorio IPv6 e OSPFv3.

Dynamips e GNS3 - Bentow

Conclusão

O Packet Tracer, ao meu ver, supre todas as necessidades de configuração no escopo da CCNA, através de seu simulador. Realiza todas as funções sem muito custo de máquina, possui toda uma parte didática importante para quem está começando e possui um pouco mais de facilidade na hora de criar, ou mesmo de importar um laboratório.

O Dynamips é uma plataforma completa, pois emula o dispositivo. Você tem o acesso completo e irrestrito ao IOS do roteador, mas você precisa ter uma máquina potente. Na figura acima foi utilizado um Core 2 Duo 1,8Ghz c/ 2GB de RAM. Na hora do bootstrap a máquina vai a 100% por um tempo até estabilizar. Se você pretende  num curto prazo fazer certificações de nível profissional da Cisco é interessante usar o Dynamips para ir praticando e testando comandos um pouco mais avançados e a interface ‘real’ de um roteador.

Para o CCNA, eu fico com o Packet Tracer.

Espero que este artigo tenha sido bastante esclarecedor para todos que tem a dúvida sobre qual software utilizar para realizar os laboratórios para a CCNA.

Um forte abraço pessoal,

Maurício Bento Ghem.

Comments 9 comentários »

Laboratorio Ipv6 Ospfv3 7200Olá Pessoal,

O tema abordado na BSCI é roteamento e é expandido incluindo a nova versão do protocolo IP, o IPv6. Esse novo protocolo proporcionará muitas dezenas de IPs a mais se comparado com o IPv4, utilizado atualmente.

O IPv6 para muitos (inclusive eu) é muito obscuro e complicado, mas se você estudar com calma atenção e praticar bastante através de laboratórios você entenderá seu funcionamento, inclusive estes endereços gigantes.

O laboratório que estou disponibilizando eu fiz para praticar o endereçamento, sumarização e o funcionamento com o OSPFv3 (OSPF para o IPv6).

»Continuar lendo Laborátorio IPv6 e OSPFv3

Comments 3 comentários »

Laboratório Multicast PIM Dense e Sparse Mode

Olá Pessoal,

O blog seguindo o fluxo do autor está, também, adquirindo material para a certificação CCNP. Ontem, prosseguindo com o estudo finalizei meu estudo sobre Multicast e agora comecei na parte de IPv6.

Quero contribuir com um laboratório que me auxiliou no entendimento do protocolo PIM (Protocol Indepentent Multicast) que é o protocolo utilizado na BSCI para criar as tabelas de roteamento multicast.

»Continuar lendo Laboratório Multicast - PIM

Comments 2 comentários »

Olá pessoal,

Comunicando o empenho, estou criando a topologia do meu primeiro laboratório em Dynamips (GNS3). Disponibilizo-a abaixo, pois é um modelo muito bom para se trabalhar várias questões do OSPF multiárea.

Lembro a todos para modificar o arquivo .net para encontrado o caminho correto das IOS utilizadas. Neste Lab, foram utilizados roteadores 3620.

Para quem não sabe, OSPF multi-área é conteúdo da prova BSCI do CCNP.

Para todos que podem estar ficando preocupados em aparecer apenas conteúdos da prova CCNP, relaxem. Continuarei postando dicas, manuais e labs neste blog CCNA para auxiliar todos que têm o mesmo objetivo que eu, certificar-se com a Cisco. Agora, subindo cada vez mais e mais.

Laboratório OSPF Multi-area do Dynamips.

Modelo de Laboratório OSPF MultiArea

Um abração,

Maurício.

Comments Nenhum comentário »

Olá Pessoal,

Este ano estou me formando, então o tempo passa muito rápido. Tenho que definir meus objetivos da noite pro dia (foi o que aconteceu).

Decidi que até o final do ano me certificarei como CCNP, então já estou correndo atrás.

A primeira parte do estudo será a leitura do livro: CCNP BSCI - Official Exam Cert. Guide por David Steward 4a edição

Após, seguirei os mesmos passos para o CCNA. Agora, como se trata de assuntos mais complexos utilizarei o CBT Nuggets muito mais.

Abaixo uma figura do meu set leitura + Dynamips no note.

Livro BSCI do Stewart + Ferramenta GNS3-Dynamips.

Abraço pessoal,

Sucesso!

Maurício.

Comments 13 comentários »

Olá Pessoal,

Agora que sou certificado CCNA, vamos partir para a próxima.

Esta dica vai para todos que, como eu, estão rumo a certificação CCNP (ou acima), ou ainda estão de saco cheio do Packet Tracer da Cisco.

Consiste na instalação e o set-up do pacotão GNS3 que já instala o Dynamips e o Dynagen para simular um roteador real Cisco. Segue imagem abaixo:

GNS3 (Dynamips e Dynagen) em pleno funcionamento

Iniciando este tutorial GNS3

  1. Efetue o download do pacotão do GNS3. Neste pacote esta incluso tudo que será necessário para rodar o simulador. Disponível em: http://www.gns3.net/download.
  2. Faça o download de IOS que serão utilizadas para emular o roteador Cisco correspondente. Neste caso, foi utilizado as séries 2600, 3600 e 7200. IOS disponíveis, por sua conta e risco, em: http://www.4shared.com/dir/7179596/e3a488a5/sharing.html
  3. A instalação é feita como qualquer aplicativo Windows, next -> next -> Finish.
  4. Execute o aplicativo.
  5. Dentro dele, deve-se incluir as IOSs. Acesso o menu Edit -> IOS Images and Supervisors, nesta tela, deve-se apontar o caminho para o IOS e definir o modelo do roteador. Faça este passo para todas IOS que desejar.
  6. Crie a topologia desejada e aperte o botão play para iniciar todos dispositivos.
  7. Para conectar em cada um deles, clique com o botão direito do mouse e entre em Console.
  8. No meu caso, eu prefiro utilizar o Putty para gerenciar o console. Então, entre no menu Edit -> Preferences, na aba General modifique a linha start telnet %h %p por:

    start d:\[localdoputty]\putty.exe -telnet %h %p

Espero que este tutorial ajude você a criar um cenário inicial com o Dynamips. Abaixo, estão alguns links interessantes que demonstram muitos passos apresentados aqui através de vídeos.

http://www.blindhog.net/gns3-how-to-build-an-internet-lab/

http://www.blindhog.net/tutorials/gns3-putty-console.htm

http://www.blindhog.net/gns3-installation-tutorial-for-linux/

Um abração pessoal,

Maurício.

Comments 13 comentários »